• ENGENHARIA QUÍMICA - BACHARELADO
  • CALENDÁRIO
NOME DO CURSO ENGENHARIA QUÍMICA NÍVEL GRADUAÇÃO GRAU BACHARELADO INICIO DO CURSO 02/2006 CONCEITO DO CURSO ENADE:3 CEE/AM:AGUARDANDO RESULTADO PERIODICIDADE SEMESTRAL INTEGRALIZAÇÃO 10 PERÍODOS
SELECIONE O MUNICÍPIO
UNIDADE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA
TURNO INTEGRAL MODALIDADE PRESENCIAL NÚMERO DE CRÉDITOS 283 CARGA HORÁRIA MÍNIMA 5085 EM EXTINÇÃO? NÃO PARFOR? NÃO CÓDIGO DO INEP
  • Periódicos da CAPES
  • Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

APRESENTAÇÃO

SOBRE O CURSO Objetivo Geral

Formar profissional qualificado para atuação nas áreas do campo da Engenharia Química.

Objetivos Específicos

• Formar profissional com capacidade para entender e desenvolver novas tecnologias, condizentes ao mercado de trabalho;

• Possibilitar ao discente uma ampla formação teórico-prática dos conhecimentos requeridos para o exercício da profissão;

• Proporcionar aos discentes um posicionamento generalista, humanista e crítico-reflexivo, incentivando-o numa formação permanente;

• Favorecer o exercício pleno do ensino, da pesquisa e da extensão, considerando os aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, sob a ótica da ética, da justiça e da cidadania;

• Motivar o discente na capacidade de trabalho independente com atitude pró-ativa, sendo apto a integrar equipes multidisciplinares de trabalho, bem como ser um agente capaz de contribuir para um ambiente acadêmico saudável.

ÁREAS DE ATUAÇÃO O exercício da profissão de Engenheiro, e de Engenheiro Químico em particular, é regulamentado pela lei no. 5.194 de 24 de dezembro de 1966. As atribuições profissionais estão definidas no art. 7o e as atividades previstas para o exercício profissional, para efeito de fiscalização, estão regulamentadas pela resolução 218 do CONFEA de 29 de junho de 1973.

No caso do Engenheiro Químico, as atividades se aplicam no âmbito da indústria química e petroquímica, da indústria de alimentos, de produtos químicos ou se relativas ao tratamento de águas ou de rejeitos industriais, em quaisquer instalações industriais.

As atividades designadas para o exercício profissional da Engenharia são listadas a seguir:

• Supervisão, coordenação e orientação técnica;
• Estudo, planejamento, projeto e especificação;
• Estudo de viabilidade técnico-econômica;
• Assistência, assessoria e consultoria;
• Direção de obra e serviço técnico;
• Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;
• Desempenho de cargo e função técnica;
• Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica; extensão;
• Elaboração de orçamentos;
• Padronização, mensuração e controle de qualidade;
• Execução de obra e serviço técnico;
• Fiscalização de obra e serviço técnico;
• Produção técnica especializada;
• Condução de trabalho técnico;
• Condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção;
• Execução de instalação, montagem e reparo;
• Operação e manutenção de equipamento e instalação;
• Execução de desenho técnico.

Em relação ao mercado de trabalho, cresce o número de empresas que contratam engenheiros químicos especialistas em meio ambiente. As melhores ofertas de emprego estão nas regiões Sul e Sudeste, nas indústrias alimentícia, cosmética e farmacêutica, com notável crescimento das ofertas na região Norte e Centro-oeste. Em alta, ainda, a área de biotecnologia para a criação de novos produtos alimentícios e medicamentos, com destaque para o imenso potencial da Região Amazônica.

No grupo das profissões que têm acompanhado a expansão do setor petrolífero no país está a Engenharia Química, campo cujo aumento do mercado de trabalho está intimamente relacionado ao desenvolvimento da indústria em geral. Nesse quesito em particular, segundo especialistas, o Brasil dispõe hoje de um importante parque industrial, em áreas diversas, como combustíveis alternativos, polímeros, fibras sintéticas, solventes químicos e intermediários, têxtil, eletrônicos, alimentos e fármacos, muitos deles dependentes de derivados do petróleo.

Nos últimos anos, os investimentos das indústrias, sobretudo as voltadas para exportação, abriram vagas para o engenheiro químico. A criação de matérias-primas mais resistentes, leves, compactas e baratas, aumenta a competitividade das indústrias e torna o profissional uma peça estratégica nas corporações, já que ele participa desses desenvolvimentos. Os setores petroquímicos, de papel e celulose, alimentícios e farmacêuticos têm uma demanda acentuada pelo graduado em engenharia química. As empresas de reciclagem e as indústrias que se preocupam com o reaproveitamento de materiais também oferecem oportunidades a quem atua na área de meio ambiente.

Os segmentos de controle de processos, que demandam conhecimento de alta tecnologia, e de processos biotecnológicos em geral, valorizam cada vez mais o engenheiro químico. Os cuidados com a natureza também impulsionam a procura pelo especialista, que está envolvido com o tratamento de resíduos das indústrias.

PERFIL DO PROFISSIONAL A definição do perfil do profissional a ser formado pelo Curso de Engenharia Química, da UEA fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares, assim determinados no artigo 3º:

Art. 3º [...] o Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

Ainda, o profissional a ser formado pelo Curso de Engenharia Química da UEA deve ser capaz de:

• aprender de forma autônoma e contínua;
• atuar inter/multi/transdiciplinarmente;
• pautar-se na ética e na solidariedade enquanto ser humano, cidadão e profissional;
• gerenciar e incluir-se em processos participativos de organização pública ou privada;
• empreender formas diversificadas de atuação profissional;
• buscar maturidade, sensibilidade e equilíbrio ao agir profissionalmente;
• produzir e divulgar novos conhecimentos, tecnologias, serviços e produtos;
• comprometer-se com a preservação da biodiversidade no ambiente natural e construído, com sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida.

Desse modo, o egresso do Curso de Engenharia Química da UEA deverá ser um engenheiro com sólida formação técnico-científica e profissional que esteja capacitado a desenvolver, aprimorar e difundir desde os conhecimentos básicos da Engenharia Química, incluindo a produção e a utilização de métodos computacionais avançados aplicados, passando por serviços, produtos e processos relativos à indústria química, à petroquímica, à de alimentos e correlatas até novas tecnologias em áreas como a biotecnologia, materiais compostos e de proteção à vida humana e ao meio ambiente; que esteja capacitado a julgar e a tomar decisões, avaliando o impacto potencial ou real de suas ações, com base em critérios de rigor técnico-científico e humanitário, baseado em referenciais éticos e legais; que esteja habilitado a participar, coordenar ou liderar equipes de trabalho e a comunicar-se com as pessoas do grupo ou de fora dele, de forma adequada à situação de trabalho; que esteja preparado para acompanhar o avanço da ciência e da t
ecnologia em relação à área e a desenvolver ações que aperfeiçoem as formas de atuação do Engenheiro Químico.

SITUAÇÃO LEGAL ATO DE CRIAÇÃO: Lei Delegada nº 42, de 29 de Julho de 2005, publicada no DOE de 29/07/2005.

ATO DE RECONHECIMENTO: Resolução Nº 118/2012- CEE/AM, de 25/09/2012, publicada no DOE de 26/10/2012.

COORDENAÇÃO
NOME E-MAIL CARGO FONE FAX
SERGIO DUVOISIN JUNIOR SJUNIOR@UEA.EDU.BR COORDENADOR